Latest · December 2, 2021 0

O Google abandona o encurtamento de URL no Chrome

O Google desistiu da ideia de truncar URLs no Chrome, de acordo com uma nota do início deste mês no banco de dados de bugs do projeto Chromium.

“Este experimento não moveu métricas de segurança relevantes, então não vamos lançá-lo”, escreveu Emily Stark, engenheira de software da equipe do Chrome, na entrada de 7 de junho.

Polícia Androidrelatado pela primeira vez na nota de Stark em 10 de junho.

A notificação de Stark, que se referia ao que o Chromium, o projeto de código aberto que produz código para o Chrome e vários outros navegadores, incluindo o Edge da Microsoft, chamou de experimento de “domínio simplificado”, pôs fim aos esforços desenvolvidos para abreviar o que é mostrado na barra de endereços do navegador.

Em agosto de 2020, o Google anunciou que Stark fazia parte do trio de engenheiros que redigiu a declaração de que faria testes com alguns usuários do Chrome que esconderiam grande parte da URL de um site. A ideia, disse o Google, era impedir ataques de phishing.

“Nosso objetivo é entender, por meio do uso no mundo real, se a exibição de URLs dessa forma ajuda os usuários a perceberem que estão visitando um site malicioso e os protege de ataques de phishing e engenharia social”, disseram os engenheiros.

Os testes começaram com o Chrome 86, lançado no início de outubro de 2020.

Em vez de exibir todo um URL, o Chrome condensou-o no que o Google chamou de “domínio registrável”, ou sua parte mais significativa. Se o URL completo para, digamos, um Mundo de computador artigo era https://www.computerworld.com/article/3082024/google-android-chrome-os-flip-flops.html, então o domínio registrável e o único bit que apareceria na barra de endereço seria computerworld.com. Ao fazer isso, o pensamento foi, URLs que tentaram ofuscar o domínio preenchendo o endereço real com o mesmo exemplo computerworld.com em outro lugar em uma longa seqüência, seria exposto.

Em todas as várias versões do Chrome a partir do 86, os usuários podiam ativar o encurtamento de URL por meio de configurações no chrome: // flags página de opção se eles não tivessem sido selecionados pelo Google para participar, mas quisessem ver a mudança por si próprios.

Talvez não surpreendentemente, a modificação foi condenada por alguns; usuários de longa data de qualquer navegador geralmente pegam tochas e forcados sempre que qualquer elemento de interface do usuário (interface do usuário) ou UX (experiência do usuário) de longa duração está em perigo.

A partir do Chrome 91, lançado em 25 de maio, o navegador apenas descarta o https: // do URL e as configurações opcionais em chrome: // flags não existe mais.

Outros navegadores, notavelmente o Safari da Apple, continuam a usar os URLs curtos, apenas de domínio, que o Google agora rejeitou. O Edge, no entanto, nunca adotou o teste produzido pelo Chromium e continuou a fornecer endereços completos (incluindo até https: //)